Espaço de notícias da região centro

quinta-feira, 7 de janeiro de 2021

Meet Hangouts 4 de 54 INICIATIVA NACIONAL CIDADES CIRCULARES - PLATAFORMA PRAÇA DAS CIDADES | FUNDO AMBIENTAL

 

No âmbito da “Iniciativa Nacional Cidades Circulares”, o Município manifestou o seu interesse em integrar uma rede e identificar potenciais parceiros que partilhem desafios comuns em matéria de transição para a economia circular, sendo criada a plataforma pré-concursal “Praça das Cidades”.

Esta iniciativa tem como objetivo apoiar e capacitar os Municípios e as suas comunidades na transição para a económica circular e promover o desenvolvimento urbano sustentável.

Neste sentido, o Município manifestou interesse na integração de redes, nos seguintes temas prioritários:

• Ciclo urbano da água – consiste na melhoria da eficiência da retenção, captação e uso da água; na promoção do aumento da reutilização, reciclagem e valorização da matéria-prima existente nas águas residuais e produtos até agora considerados finais; e a adoção de soluções de base natural e soluções inovadoras de produtos e processos para melhorar o bem-estar e a qualidade de vida urbana e reduzir a pegada hídrica dos sistemas urbanos;

• Relações urbano-rurais – visa fomentar a equidade no acesso aos serviços de interesse geral; a afetação do solo rústico a atividades produtivas; minimizar os impactos da ocupação dispersa; potenciar a eficiência do metabolismo regional urbano; a utilização sustentável e eficiente dos recursos naturais; o desenvolvimento de sistemas alimentares regenerativos e de corredores de alimentação; a oferta de produtos regionais frescos; a gestão sustentável das florestas e dos solos; a formação de ciclos fechados de nutrientes e de outros recursos; e a preservação e recuperação dos serviços de ecossistemas e proteção da paisagem;  Largo Dr. Joaquim de Almeida 3680 – 111 Oliveira de Frades ' Tel. 232 760300 ' Fax 232 761727

• Urbanismo e construção – inclui ações integradas de reabilitação urbana; a promoção da reutilização de edifícios e espaços abandonados; a qualificação do espaço público e dos equipamentos urbanos; a regulação de novos modelos de negócios no setor imobiliário; e novas lógicas de contratação e de oferta de serviços públicos e espaços coletivos. Visa, ainda, promover a gestão inteligente dos resíduos da construção com soluções inovadoras e projetos demonstrativos. No total do país, foram submetidas 66 manifestações de interesse, num total de 38 Municípios, das várias regiões do país. Destaca-se o elevado número de participações de municípios da região Centro, que submeteram 22 destas manifestações de interesse. Numa próxima fase irá decorrer a criação das redes consoante as manifestações de interesse, e a candidatura a financiamento e apoio técnico conjunto, sendo que já se iniciaram contactos com outros Municípios para a criação de redes.

quinta-feira, 3 de dezembro de 2020

Quantas mais mulheres precisam de morrer?


Em Portugal, entre 1 de janeiro e 15 de novembro deste ano foram assassinadas 30 mulheres, segundo dados do Observatório de Mulheres Assassinadas. Em 63% dos femicídios reportados havia violência prévia e em 40% havia ameaça de morte. Em 80% destes casos a violência era conhecida de outras pessoas.

 

Hoje, 25 de Novembro, o Núcleo Douro-Sul do Bloco de Esquerda assinala o Dia Internacional pela Eliminação da Violência contra a Mulher com dor e pesar por estas trinta mulheres e por tantas outras que sofrem em silêncio: o assédio no autocarro, o colega de trabalho que levantou a voz, o marido controlador ou o ex-namorado ciumento.

 

Para nós, este ano é ainda mais duro. Uma destas trinta mulheres foi assassinada (e outra ficou ferida) bem perto de nós, aqui em Lamego. Na nossa comunidade, diante dos nossos olhos. Recordamos também que, há menos de um ano, outra mulher felizmente escapou ao mesmo destino. Não, não é só conservadorismo: é violência machista. Não, não é só algo que vemos na televisão: é algo que está a acontecer entre nós. Assobiamos para o lado?

 

Sabe-se que em 2014 foi criado em Lamego um Centro de Apoio às Vítimas de Violência Doméstica e ministrado um Curso de Técnico de Apoio à Vítima a várixs psicólogxs e assistentes sociais. Segundo dados do município nesse mesmo ano foram atendidas 70 vítimas. Seis anos passaram e hoje em dia não sabemos se esse centro de apoio ainda existe. Uma coisa é certa: não existe qualquer divulgação junto da comunidade, não se voltaram a formar técnicxs e profissionais de saúde para este contexto específico e não existe trabalho visível na comunidade ou qualquer ação de sensibilização. A única iniciativa conhecida deste executivo relativamente a esta matéria foi, de facto, a criação de uma linha especializada de apoio à violência doméstica (que naturalmente saudamos) através da medida “Lamego Ajuda” no âmbito do Plano de Contingência para a Covid-19.

 

O Núcleo Douro-Sul do Bloco de Esquerda questionou o Município no final de Maio (há cerca de meio ano) sobre este gabinete e sobre o funcionamento da linha de apoio (e até da possibilidade de continuar a funcionar, ultrapassada a pandemia). Não tendo havido qualquer resposta, não foi possível, até ao dia de hoje obter qualquer esclarecimento sobre esta matéria.

 

Posto isto, em primeiro lugar lamentamos esta opacidade do município em relação a este gabinete de apoio. Entendemos que a ampla divulgação à comunidade e o inerente escrutínio público em torno do seu funcionamento, em termos meramente indicativos e estatísticos, é fundamental e não compromete os necessários anonimato, discrição e protecção assegurado às vítimas - pelo contrário, informa as pessoas sobre as opções que têm em caso de necessidade de recurso.

Depois, temos sérias dúvidas de que esse gabinete de apoio ainda exista ou sequer alguma vez tenha saído do papel. O trabalho que se exige nesta área é muito vasto e vai muito além das infra-estruturas físicas e da contratação de profissionais. Envolve articulação entre várias entidades sanitárias, policiais, judiciais, judiciárias, e desde logo um necessário trabalho de retaguarda nas escolas e associações a sensibilizar xs nossxs jovens para estas questões da violência de género, violência no namoro e outras contíguas.

 

Por fim, apelamos ao município que desperte finalmente para estas questões e sobretudo que para além dos planos, das intenções, dos programas, das medidas e as inaugurações, seja consequente. Esta matéria e estas mulheres assim o exigem. É também da nossa responsabilidade enquanto comunidade travar este flagelo hediondo.

A Câmara Municipal de Viseu é uma Causa perdida!

POR; Ana Carolina Gomes

 

A Câmara Municipal de Viseu, na forma do seu executivo atual, atingiu novos rankings, mas daqueles que vão ignorar pois não cumprem os critérios do marketing vangloriador atual.

 


Depois de ontem, dia 25 de novembro, se ter assinalado internacionalmente o Dia Pela Eliminação Da Violência Contra as Mulheres, em Viseu, através da construção de um memorial em homenagem às trinta mulheres assassinadas até ao momento em 2020 em Portugal, funcionários da autarquia removeram o mesmo esta manhã.

 

Tudo isto ocorre quando, vamos expor os factos: cumprindo o que a Lei manda, a Plataforma Já Marchavas, promotora da iniciativa, informou o Ex.mo Sr. Presidente Dr. Almeida Henriques da instalação do memorial, da manutenção do mesmo até dia 10 de dezembro, do objetivo do mesmo, da localização exata do mesmo e, num ato de boa fé, garantindo que em nada impediria a utilização habitual do espaço em que se insere (Rossio).

 

Tudo isto ocorre depois de, apesar de dois e-mails solicitando resposta sobre um pedido específico para realização da ação, cedendo um ponto de acesso a luz elétrica existente no local, a Câmara não ter aproveitado a oportunidade de responder, nem que fosse negando essa ajuda, ou, se a ação era assim tão incomodativa, tentar uma “negociação”. Há menos de dois meses, para um pedido semelhante, a resposta foi pronta para o negar, alegando o mesmo ter sido feito com pouca antecedência.

 

Tudo isto ocorre sem qualquer informação, comunicação ou aviso, por qualquer meio, à Plataforma ou às três pessoas que assinaram o aviso formal da ação, disponibilizando à autarquia a sua morada, e-mail e número de telemóvel.

 

Mas, acima de tudo, isto ocorre em total desrespeito pelas Mulheres, pelas Mulheres vítimas de violência, pelas trinta Mulheres que este ano já foram silenciadas e que foram homenageadas através do memorial, friamente, violentamente, removido pela autarquia viseense. Através deste ato, a Câmara de Viseu, adornada em fogo de artifício e luminárias natalícias, revela-se, apesar de toda a sua esplendorosa fachada, agressora, machista, superficial e autoritária.

 

A Praça da República, também conhecida como Rossio, não é da República, não é da cidadania, da Democracia, das causas ou do povo. A Praça da República, que ninguém se engane, é o salão de baile dos interesses e bem pareceres, com laivos ditatoriais e censórios, da estética e política opressora do executivo da Câmara Municipal de Viseu!

quarta-feira, 11 de novembro de 2020

MUNICÍPIO DE SÁTÃO PROMOVE A 3.ª EDIÇÃO DO CONCURSO DE MONTRAS DE NATAL

  

Com o tema “A Família”, o Município de Sátão vai promover, de 07 de dezembro a 06 de janeiro, a 3ª edição do Concurso de Montras de Natal. Apesar deste ano ser uma época atípica decorrente da situação pandémica que assola o país e o mundo, o Município de Sátão pretende com este Concurso contribuir para a divulgação dos espaços comerciais que queiram participar no mesmo e dar mais ânimo e alegria às ruas do concelho.


Este concurso destina-se a todos os comerciantes do concelho, com montra visível a partir do espaço público, estando a sua participação sujeita a inscrição prévia de 09 a 29 de novembro, no Gabinete de Atendimento ao Munícipe onde se encontra disponível o Regulamento e através do email concurso.cultura@cm-satao.pt.

A votação será efetuada pelo público através do facebook (representando 60% da classificação final) e por avaliação de um júri constituído por 3 elementos (40% da classificação final). A pontuação final será divulgada no site e na página do facebook do Município de Sátão.

 

 

sábado, 7 de novembro de 2020

SUSPEITA DE CASO DE COVID 19 NA ESCOLA BÁSICA DE SÃO PEDRO DO SUL

 Infomações obtidas pela Viriato Tv  uma mãe de um dos alunos  do segundo ano da escola Básica de São Pedro do Sul fez o teste de Covid 19 e testou positivo na quinta- feira de manhã. O filho já não vai às aulas desde quinta - feira de tarde.

O caso está a causar inquietação pois segundo infomações, tanto os pais com a criança  não foram contatados  pelos responsaveis de saúde pública para serem informados dos procedimentos a serem tomados.

Até a data de hoje nenhum dos pais das outras crianças foi contatado pela escola para qualquer tipo de informação.

O receio está instalado pois segunda - feira há aulas e as crianças terão de de ir para um local que poderá estar contaminado.

Se o contágio se der, quem se vai responsabilizar por ter tomado medidas tardiamente?

quarta-feira, 14 de outubro de 2020

Requalificação do Dólmen I do Carapito - Reconstituir a Mamoa Um sonho tornado realidade

 Foi no dia 02 de setembro de 2020, assinado em Aguiar da Beira o auto de consignação da obra de Requalificação do Dólmen I do Carapito - Reconstituir a Mamoa.

Este foi um momento extremamente relevante não apenas para o concelho de Aguiar da Beira, mas para toda a região Centro de Portugal, pois com este ato dá-se início a uma obra aguardada há mais de 40 anos e que só o especial esforço do município permitiu que fosse concretizada a empreitada que agora irá ser iniciada.

O Dólmen I do Carapito está classificado como Monumento Nacional, sendo o maior da região Centro de Portugal e um dos dólmens mais conhecidos internacionalmente. Intervencionado primeiro em 1966 por Vera Leisner e Leonel Ribeiro e mais tarde, em 1989, por Domingos Cruz e Raquel Vilaça, foi um dos primeiros monumentos megalíticos portugueses profundamente estudado.

O projeto foi adjudicado e elaborado pela empresa Eon, Indústrias Criativas, e contou com a colaboração de vários especialistas nas áreas de arqueologia, conservação e restauro, engenharia e arquitetura.

O orçamento da obra ascende a 399 579,27 € sendo financiada no âmbito do Centro 2020. A qualificação do monumento contempla a recolocação da tampa e dos esteios tombado, assim como a reconstrução da mamoa que cobria originalmente o monumento; a intervenção inclui ainda a definição de uma área de estacionamentos e a valorização paisagística do conjunto.



A intervenção de valorização deste património megalítico, para além da valorização do monumento, define-se como exemplo singular, seja nos aspetos construtivos e estruturais que permitirão a sua reconstrução, seja em termos científicos e didáticos com a reconstituição da mamoa, cuja significativa dimensão implicará um elemento de especial impacto na paisagem.

A implicação deste dólmen numa pequena rota local que envolve a passagem por outros três dólmens com diferentes características e em diversos estados de conservação, e a sua inclusão na futura Rota do Megalitismo da Região Viseu Dão Lafões e Sever do Vouga concretizam a integração deste monumento nacional em diversas escalas de percursos devidamente definidos que caraterizam o património pré-histórico da região Centro.

DOCUMENTÁRIO SOBRE A FEIRA DE SÃO MATEUS EM VOTAÇÃO NO FESTIVAL ART&TUR


Filme produzido em 2019 está nomeado na categoria “Doc” de um dos maiores festivais internacionais de cinema de turismo que acontece este ano em Viseu. Votação do público está a decorrer no site da iniciativa.

 No ano em que Viseu é destino de cinema e fotografia, a histórica Feira de São Mateus salta para o palco do ART&TUR – Festival Internacional de Cinema de Turismo, com a nomeação do filme "Feira de São Mateus - A feirar há 627 anos”, na categoria dedicada aos documentários.

 O documentário, produzido por iniciativa da VISEU MARCA e com realização de John Gallo, é de 2019 e encontra-se nomeado na competição, num total de 23 produções selecionadas. A votação para eleger o vencedor está já em curso no site do festival, aqui.

A estreia do documentário terá lugar no dia 20 de outubro, pelas 21 horas, no Teatro Viriato, e a participação é sujeita a inscrição prévia neste link.

 O filme recupera os testemunhos de algumas personalidades que passaram pelo palco da Feira como Pedro Abrunhosa, mas contém também os testemunhos de responsáveis pelo seu recente projeto de modernização como o Presidente da Câmara Municipal de Viseu, António Almeida Henriques, e o gestor do certame e diretor da VISEU MARCA, Jorge Sobrado.

 Para Cristina Paula Gomes, Presidente da VISEU MARCA, “a estreia deste documentário acontece num ano particularmente difícil, que coincide com o cancelamento da edição 2020 da Feira de São Mateus. É um momento carregado de simbolismo que nos permite reviver memórias do certame tão querido de Viseu”.

 O evento decorre entre os dias 20 e 23 de outubro no Teatro Viriato e na Aula Magna do Instituto Politécnico de Viseu. O programa completo da iniciativa está disponível no site oficial, em www.tourfilm-festival.com.